Pular para o conteúdo

Teologia do Coaching – A Substituta da Teologia da Prosperidade

A teologia da prosperidade já apanhou demais. Seus grandes ícones já foram expostos e desmascarados. Infelizmente ela ainda faz vítimas pela falta de conhecimento do povo, principalmente nas periferias, público alvo desse tipo de “teólogos”. Felizmente ela está cada vez mais marginalizada e ficando limitada a determinadas igrejas. Um bom números de crentes tem um grande repúdio por esse tipo de abordagem “evangélica”. Pois bem, eis que temos uma substituta para a tal da teologia da prosperidade (TP). Eu a chamo de teologia do coaching (TC). Usareis as siglas a partir de agora.

A Cultura do Coaching

Sou formado em administração. Cursei quatro anos de faculdade e fiz outros cursos na área. Na época o coaching não era tão conhecido como hoje. Sempre valorizei cursos com conteúdos práticos como finanças, marketing e recursos humanos. Nunca fomos ensinados que precisaríamos de pessoas nos acompanhando para ensinar, direcionar, motivar e cobrar. Nós mesmos faríamos isso. Então a cultura do coaching chegou. Vá a uma seção de administração e negócios de uma livraria hoje e você perceberá o que estou dizendo. Nunca me dei bem com ela para ser sincero. E quero explicar a razão usando duas citações do Instituto Brasileiro de Coaching. Primeiro, o que é o coaching?

“Um mix de recursos que utiliza técnicas, ferramentas e conhecimentos de diversas ciências como a administração, gestão de pessoas, psicologia, neurociência, linguagem ericksoniana, recursos humanos, planejamento estratégico, entre outras visando à conquista de grandes e efetivos resultados em qualquer contexto, seja pessoal, profissional, social, familiar, espiritual ou financeiro”

Agora pergunto: como o coaching acontece?

“Conduzido de maneira confidencial, o processo de Coaching é realizado através das chamadas sessões, onde um profissional chamado Coach tem a função de estimular, apoiar e despertar em seu cliente, também conhecido como coachee, o seu potencial infinito para que este conquiste tudo o que deseja”

Antes de continuar deixe-me dizer algo para que fique claro. Acredito na liberdade de trabalho honesto. Se você gosta ou trabalha honestamente com isso, ok, é a sua escolha. Por mais que eu tenha críticas a essa prática, aqui entrarei na relação do coaching com a igreja. Usarei essas duas respostas dadas para analisar biblicamente o que chamo de TC. Minha argumentação será essa: Igreja e evangelho não combinam com o coaching e não devem se misturar jamais. Quando isso acontece temos uma nova TP com uma roupagem mais humanista e existencialista.

Junto com o coaching cresceu o chamado empreendedorismo de palco (EP). São aqueles profissionais que trabalham com palestras motivacionais e grandes palestras de coaching. Esse mercado tem crescido assustadoramente e também tenho sérias dificuldades com ele. Aqui se aplica a mesma observação que fiz aos profissionais de coaching. Mesmo assim indico um ótimo texto escrito por Ícaro de Carvalho chamado Por que o empreendedorismo de palco irá destruir você. O autor começa com uma afirmação que capta bem o ponto onde quero chegar:

“O empreendedorismo é a nova religião do homem moderno. Materialista e secular, ele substituiu os Santos do seu altar por fotografias de homens bem sucedidos; os seus Evangelhos são livros como “O sonho grande” e “A força do Hábito”. Ele acredita, de alguma maneira, que tudo aquilo irá aproximá-lo do seu objetivo principal: sucesso, fama e dinheiro…de preferência agora!”³

Essa cultura construída em torno do coaching e do EP é em sua maioria materialista. O objetivo de muitos é o sucesso financeiro, e isso significa enriquecer. Com um fator especial: o mais rápido possível. É comum ler e ouvir grandes promessas e ensinamentos sobre como trabalhar menos e ganhar mais. O foco está no esforço intelectual e físico daquele que está buscando seu lugar ao sol. É dessa cultura de palco, sonhos, riquezas e promessas que estou falando. Já viu onde isso vai chegar na igreja? Vamos falar disso agora!

O Coaching na Igreja

Eu já vi palestras de coaching acontecendo onde deveria haver uma pregação da Palavra. Isso mesmo, em pleno culto público. Infelizmente essa cultura chegou em muitas igrejas. E se eu já não me dou bem com ela no mercado de trabalho, na igreja não tenho medo de dizer que ela é minha inimiga. Assim como repudio a TP também o faço com essa nova onda da TC. Em alguns sentidos essa segunda chega a ser pior do que a primeira. Vamos analisar três pontos que constroem a TC.

Humanismo: O coaching utiliza de técnicas humanas num indivíduo que é o centro de tudo para que este alcance seus objetivos humanos. Muitos pastores e líderes tem enveredado por esse caminho. Tratam suas pregações como palestras motivacionais da fé que confundem fé com força e vontade, evangelho com motivacionismo e Cristo com um palestrante. O foco está naquilo que o homem pode fazer através da sua fé pessoal. Fé essa que passa por Cristo, mas que tem seu objeto na própria pessoa e nos seus esforços dirigidos. Muitas “pregações” tem o mesmo objetivo do coaching, ou seja, estão “visando à conquista de grandes e efetivos resultados em qualquer contexto, seja pessoal, profissional, social, familiar, espiritual ou financeiro”. O apelo pode ser até espiritual, mas ainda assim Você já deve ter escutado muito coisas do tipo “como ser o melhor marido”, “como atrair e fidelizar pessoas para o reino”, “alcançando sucesso através da fé.”. Tudo isso travestido de espiritualidade…

Materialismo: há um desejo enorme em conquistar coisas. Sejam elas produtos do mercado como carros, casas, roupas, viagens ou algo mais “espiritual” como paz, pessoas, bom casamento, filhos educados, castidade, etc. As pessoas querem conquistar, possuir e avançar, sendo tudo isso fruto não da humilhante auto confrontação e negação de si mesmo, mas da auto-afirmação. O papel do pastor se tornou muito parecido com o do coach: “estimular, apoiar e despertar em seu cliente (ovelha)… o seu potencial infinito para que este conquiste tudo o que deseja”. É exatamente isso que essa mistura humanista-materialista busca: o potencial infinito de cada ser humano para conquistar aquilo que ele deseja. Há uma conexão com o existencialismo, onde o indivíduo e sua busca pessoal por significado em si mesmo passa a ser o centro do pensamento filosófico.

Ceticismo: Humanismo e materialismo são marcas de seres céticos. A crença no Deus da Bíblia é cada vez mais fraca onde esse tipo de cultura se manifesta. Como eu já disse, a TC busca descobrir o potencial de cada pessoas para que ela alcance seus próprios objetivos. Dependência de Deus é algo apenas fantasiado. Orações são feitas apenas para que Deus abençoe nossos planos e para que Ele nos dê apoio em nossa própria empreitada. O sobrenatural é esquecido e Deus vai ficando cada vez mais distante. Na TC o soberano é o indivíduo com suas decisões de fé e sucesso. Em muitas igrejas tudo que você vai encontrar nos púlpitos são mensagens sobre o que os homens podem fazer para serem alguma coisa melhor do que já são. Até a mistura com conteúdos de coaching, marketing pessoal e psicologia você encontrará. Aliás, tem sido comum pastores e líderes entrarem nesses cursos e palestras para serem mais persuasivos, contagiantes e teatrais (pra não usar manipuladores). O Espírito Santo não tem muito espaço na TC, mesmo que usem seu nome.

São por esses motivos principais que digo que a TC está substituindo a TP. Esse discurso tem atraído jovens, empresários, profissionais liberais, e todo o tipo de gente, principalmente na classe média. E aqui está a transição entre as duas abordagens. A TP faz uma barganha com Deus crendo que Ele efetuará milagres para benefício material e espiritual do homem. A TC eliminou a barganha ao deixar Deus de longe, mas passou a ter no próprio homem a força “milagrosa” para seu benefício material e espiritual. Na TP ainda há uma certa dependência de Deus e seu agir sobrenatural, enquanto na TC o homem declarou sua independência. O relacionamento de barganha foi substituído para o relacionamento de platéia. O Deus da TC está assistindo e torcendo pelos grandes empreendedores no palco da fé. Talvez você ache ruim o uso do palavra coaching, mas pelo que você entenda a expressão completa “teologia do coaching” que estou usando para definir esse tipo de abordagem..

Essa é uma teologia mais sutil, que parece mais humilde, mas na verdade transborda soberba ainda mais do que a tenebrosa TP. Seu ambiente menos escandaloso e mais conformado a cultura secular permite que esse tipo de abordagem lote igrejas e obtenha grande aceitação. Geralmente se fala o que as pessoas querem ouvir e pecados são tratados como pedra e obstáculos no caminho que devem ser superados. A pregação fica até mais dinâmica, com uso de mídias, frases de efeito e motivação mútua. Tudo isso associado com o desejo material dos nossos dias só contribuem para que a TC ganhe terreno. Logo logo nós teremos grandes problemas com ela e talvez ela chegue ao mesmo patamar da TP. Que Deus nos livre e proteja disso!

O que Jeremias e Tiago Diriam?

Não quero tornar esse texto num texto longo demais. Portanto, encerrarei apenas com três passagens bíblicas (quem sabe um artigo completo poderá sair em breve sobre o tema). Compare com as ideias da TC e veja como a Bíblia é contrária a isso. Jeremias profetizou para um povo orgulho e que confiava em suas próprias forças e em sua “tradição espiritual”. Contra isso Deus falou por meio do profeta:

“Assim diz o Senhor: “Não se glorie o sábio em sua sabedoria nem o forte em sua força nem o rico em sua riqueza, mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em compreender-me e conhecer-me, pois eu sou o Senhor, e ajo com lealdade, com justiça e com retidão sobre a terra, pois é dessas coisas que me agrado”, declara o Senhor” (Jeremias 9:23,24) 

Num momento mais a frente ele resume bem sua mensagem ao povo:

“Assim diz o Senhor: Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor… Mas bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nele está” (Jeremias 17:5-7)

Encerro com a passagem de Tiago, um verdadeiro balde de água fria na teologia do coaching:

“Ouçam agora, vocês que dizem: “Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro”. Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa. Ao invés disso, deveriam dizer: “Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo”. Agora, porém, vocês se vangloriam das suas pretensões. Toda vanglória como essa é maligna.” (Tiago 4:13-16)

TP e TC, ambas são maléficas e distantes do cristianismo bíblico que leva o homem a negar a si mesmo, humilhar-se diante de Deus e depender dele em tudo. Ter sucesso profissional e conquistar riquezas não é pecado em si, mas isso não pode ser um dos pontos centrais de nossa espiritualidade cristã. Cuidado para não substituir a teologia da prosperidade pela teologia do coaching, em ambas o deus que adoram é o mesmo: o homem.

 

Pedro Pamplona é casado com Laryssa e formado em administração pela Faculdade 7 de Setembro (Fortaleza/CE), pós-graduado em Estudos Teológicos pelo Centro Presbiteriano Andrew Jumper (São Paulo/SP) e estudante do Sacrae Theologiae Magister (Th.M) em Teologia Sistemática do Instituto Aubrey Clark (Fortaleza/CE). Serve integralmente como líder de jovens na Igreja Batista Filadélfia, em Fortaleza.


  • Silvio Gonçalves

    Parabéns pela sacada, Pedro! A reflexão é muito importante. Recentemente, tive acesso a um destes pastor/coaching e confesso que fiquei “encantado”. Pela graça de Cristo pude perceber a natureza “coachinista” do discurso, mas o seu texto ampliou minha percepção sobre o assunto.
    Obrigado e que Deus o abençoe.

  • Anderson Alves

    Muito bom esse artigo, sucinto, porem objetivo. Parabéns aos envolvidos, continuem a produzir artigos bons, esclarecedores como este.
    Que o nosso Deus nos ajude e combater mais esta “praga” que se infiltra sorrateiramente entre o povo de Deus.

  • Lucas

    Gostei bastante deste artigo, parabéns!

  • João Paulo

    Mt bom, aguardo o artigo!!!

  • Tharcisio

    A essência do pecado no homem é sempre a mesma. Afastar-se de Deus. Do éden ao inferno.
    Parabéns pelo texto. Bendito seja o Senhor.

  • André Luiz

    Sim, muito boa reflexão.
    Não quero aqui falar sobre as possíveis causa e influências que geraram isso. Mas do mesmo modo que o mercado gospel “afetou” a liturgia de muitas igrejas (mais Louvor, menos pregação), essa nova tendência(sim, tendência, pois acredito que ainda a veremos por muito tempo e suas infindáveis mutações como aconteceu com a TP) tem afetado não só a liturgia mas também a visão que as igrejas tem de si mesmas, buscando mudar o seu papel no cenário onde estão inseridas. Os cultos agora dividem importância com os eventos que essas igrejas promovem e que caem exatamente nessa temática coaching, tentando abranger os públicos dentro de uma igreja com sua diversidade temática (financeiro, familiar, empresarial, do casal, da mulher, do pai, da virgindade, etc..). Não é a toa que tem crescido o mercado dos Pastores-Cantores palestrantes com suas temáticas especificas.

  • Diego Henrique Viana

    Vcs poderiam fazer um PodCast sobre este assunto !
    Um abraço para todos do Dois Dedos de Teologia.

    Ass: Diego Viana

  • Muito bom!!!

  • Gustavo Belz

    Post muito tendencioso. Uma pergunta aos teólogos de plantão:

    Existe mesmo teologia do Coaching? kkk

    TEOLOGIA = ESTUDO SISTEMÁTICO DA DIVINDADE
    COACHING = TREINAMENTO (DE QUALQUER AREA, esportes, intelectuais, empresariais..)

    Então quer dizer que existe um estudo da divindade dos treinamentos? kkkk acho que eu até gostaria de me aprofundar nisso rs

    *Como um site de teologia aceita um artigo que não se preocupa em pesquisar o que significa exatamente cada palavra e usa apenas a referência de uma empresa como base? no caso a IBC, uma empresa que visa lucrar com a profissão inventada chamada “coaching”.

    Coaching vem do termo COCHEIRO. Profissional que levava pessoas pela cidade de Londres em uma carruagem, ou seja, de um ponto A até um destino B.

    Coach hoje significa TREINADOR. Pessoa responsável em levar outras de um ponto inicial A até um destino desejado B. Em qualquer área da vida. Até mesmo na igreja. Meu pastor me ajudou a sair de um problema de relacionamento, ponto A, e resolver isso para que eu me acertasse com a pessoa, destino desejado B. Ele foi um COACH.

    Qualquer pessoa que ajude outra a aprender, resolver problemas ou tomar decisões, é um coach.

    Vamos pesquisar melhorar antes de sair publicando qualquer coisa por aí…

  • Acredito que sua base de pesquisa pode ser bem fraca. O IBC, citado por você como referência ao “o que é coaching” foi utilizado para generalizar essa ferramenta. Seria melhor, como pesquisador que parece ser, buscar uma fonte oficial, por exemplo, o que é o coaching para a I.C. F. (International Coach Federation, que é o maior órgão regulador no mundo do coaching), e não uma empresa que, como ela, podem ter outras que não pensam da mesma forma.
    É claro, as deturpações de qualquer segmento sempre irão acontecer e as pessoas sem ética poderão aproveitar a “deixa” e entrar, por exemplo, com o humanismo nas igrejas. Isso não quer dizer que toda a ferramenta é inadequada; eu posso utilizar um martelo para quebrar uma mesa de vidro, mas posso utilizá-lo para construir uma casa.
    Jesus, mesmo, pode ter sido o maior coach que já existiu; vide suas perguntas, suas conversas individuais, e como Ele podia levar pessoas a uma nova conscientização.
    Sugiro que você leia o livro “Avançando para o Alvo”(da WillemBooks.com) e pesquise, por exemplo, a empresa R122 Coaching (R122 vem de Romanos 12.2) e reveja sua tese, observando como há pessoas sérias, com verdadeiro temor a Deus e ao seu chamado, fazendo o que um cristão realmente deve fazer no mercado de trabalho, que é: transformar pessoas, assim como Cristo fez.
    Grato,
    Marcos

  • Christovam Reis dos Santos Filho

    Vc tem publicação em peroódicos? Compartilho suas ideias e gostaria de aprofundá-las.

  • João Vitor Oliveira da Silva

    Olá Pedro! Primeiramente, ótimo texto! Parabéns pela objetividade em trazer esse alerta para os cristãos.

    Tenho algumas observações, contudo. Umas duas semanas atrás tive uma conversa com um amigo na qual ele me deu vários conselhos para vencer algumas dificuldades recorrentes que tenho na minha luta diária contra o pecado. E a maioria dos conselhos que ele deu eu sinto que se aproximaram dessa ideia do coaching, pois foram muito na linha da minha necessidade de resistir ao pecado, da minha necessidade de me levantar, tomar vergonha na cara e fazer, da minha necessidade de quebrar algumas sinapses viciosas na minha mente que me levavam a tomar o caminho mais curto para o prazer de curto prazo, ou seja, o caminho do pecado. Tudo isso com base na sabedoria bíblica do AT e do NT. E preciso confessar que não só esses conselhos estão sendo muito úteis, mas foram os melhores conselhos que recebi no que tange à luta contra o pecado em anos.

    Gostaria de sugerir, portanto, e se possível a você, redigir um texto também sobre como conciliar a centralidade e soberania de Cristo com a nossa responsabilidade de resistir até o sangue, como fala em Hebreus. Outro elemento que poderia aparecer nesse texto seria a importância de uma vida disciplinada e equilibrada que reflita a vida em abundância que Cristo veio para trazer e que o glorifique.

    Um abraço!

  • Pedro Augusto Naegeler

    “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;” Mateus 16:24
    Ótimo texto !!!

  • Filipe

    Todas essa concepção equivocadas das escrituras só atribuo a uma só coisa, a perda da noção escatológica da história. Como causa dessa perda eu vejo a confusão das pessoas entre dois atributos de Deus, justiça e misericórdia. Muitos acreditam que, pelo fato de Deus ter tomado por bem agir de benevolência com o homem, mesmo quando este infringiu o mandamento divino, a sentença edênica foi revogada. Nada mais errado, pois isso fere o princípio de imutabilidade do Senhor, a sua Justiça. É justamente por ele não mudar nunca é que percebemos sua misericórdia, pois mesmo sabendo desde antes da fundação do mundo que a queda aconteceria, Cristo já havia sido morto e crucificado, pagando, assim, a dívida que ainda nem havia sido faturada. Não creio ser difícil entender isso, mas sim aceitar. A dificuldade reside no fato de querermos entender Deus a partir de nossos próprio conceitos de justiça e misericórdia, mas esquecemos que o limitado jamis poderá compreender o Eterno, lição esta que Jó entendeu muito bem. Que Deus continue a abençoar este ministério!

  • Otoniel

    Excelente ensaio! Parabéns!

  • Joabe Machado

    1- Sou coach, sou cristão e gostei da forma que o assunto foi abordado.
    2- Concordo em alguns pontos do texto, realmente o coaching acredita no potencial humano, o que é muitíssimo perigoso, como cristão que sou, tenho bem claro em minha mente a completa dependência que homem continua tendo de Deus
    3- O autor do texto comete um erro grave que muitos cometem, pegou uma explicação isolada sobre o que é coaching e a combateu como se esta fosse a verdade unica e absoluta sobre o coaching, como coach que sou digo que o que o IBC explica sobre o coaching não é 100% coaching.
    4- O princípios do coaching estão praticamente todos na bíblia, como por exemplo ser otimista, agir ao invés de esperar que tudo caia do céu, assumir a responsabilidade por sua vida ao invés de ficar culpando Deus por tudo que dá errado, e principalmente ele ajuda as pessoas a montarem um planejamento eficiente, o que, biblicamente, não tem problema algum com isso.
    5- Existe o bom coaching(que funciona como um apoio) e o mal coaching(que coloca o ser-humano como um semi-deus), o autor deveria ter pesquisado mais sobre o coaching e então ter feito essa diferença.
    6- Como o coaching está crescendo de forma desregrada no Brasil, concordo com o autor que talvez esse coaching mal interpretado possa sim, trazer muitos prejuízos
    7- Por fim, concordo com o autor que coaching e evangelho não se misturam, na verdade o evangelho não se mistura com nada, deve ser mantido puro.

  • Fernandes

    Além do Coaching,varios “pastores” estão relacionados a marketing multinivel, network e até pirâmides.
    Utilizam da influência e ganancia das pessoas para lucrarem nessas redes.