Pular para o conteúdo

A Catolicidade Protestante | DDTcast #08

“Garçom, cancela o goró! Desce aí um copo com dois dedos de teologia.”


No podcast de hoje, o que realmente significa ser católico, como funciona a unidade da igreja e as milhares de denominações protestantes.

ASSINE O FEED

PATRÕES DO PODCAST

E-MAILS

  • Estamos recalcitrando contra os aguilhões? Envie suas críticas, xingamentos, pedradas e manifestações de amor para contato@doisdedosdeteologia.com.br que você pode aparecer no próximo programa.
Arte da vitrine: Yago Martins
Edição: BiboTalk Produções (Maurício "Mac" Machado - mac@bibotalk.com)
Música de abertura: I'm Shipping Up To Boston - Dropkick Murphys
Voz da vinheta: Isaac Bardavid

 



  • Fernando Borges

    Muito bom o episódio! Só pisou na bola o convidado que disse (de forma que soou até meio pejorativo) que o fato de hoje a voz conservadora estar sendo ouvida é uma “ondinha”. O fato é, o conservador sempre existiu, só não se manifestou porque no Brasil conservador era (é) automaticamente ligado ao Governo Militar e a galerinha progressista adora um barraco e não estamos aqui pra isso. O movimento tem muito mais em comum com o desejo de voltar aos pilares da sociedade ocidental, que qualquer outra coisa. Mas como eu sempre digo, continuem pensando que é “ondinha” que a gente vai surfando. No mais ótimo trabalho!

  • Flavio Ayres

    Olá senhores do DDT! Parabéns pelo trabalho no site e nos podcasts, gosto bastante da maneira como vocês tratam os assuntos, principalmente sobre algumas questões políticas e tal. Parabéns!

    Mas gostaria de levantar algumas questões sobre o que vocês falaram nesse episódio.

    No início do episódio vocês buscam definir a catolicidade, e um dos pontos levantados é que “a Igreja Católica ensina a doutrina em toda a sua plenitude”. Mas depois vocês definem a “catolicidade” protestante como sendo a aderência a um núcleo de fé, e por vezes reduzem esse núcleo apenas à Trindade. Isso não me parece a plenitude da fé, e ao meu ver essas duas coisas não são conciliáveis.

    Não venho com a intenção de arrumar confusão, mas de apresentar meu pensamento sinceramente e saber o que vocês pensam sobre isso.

    Abraço e fiquem com Deus!