Pular para o conteúdo

O Desigrejado Reformado

Ele conhece os 5 solas da reforma protestante. Não só conhece, mas os tem como capa de Facebook. Talvez até tatuados quem sabe. Ele é bom em conhecer a história da reforma e sabe falar sobre Zwinglio, Lutero, Knox, Calvino, Melânchton e até outros menos conhecidos. Grande defensor da tulip e forte opositor do arminianismo. É leitor de bons livros e talvez já esteja até escrevendo em blogs. No Facebook ele é um defensor da fé cristã histórica, sempre ligado as confissões, catecismos e outros documentos antigos. Se diz cristão protestante, reformado, calvinista e conservador. É um grande consumidor de canais teológicos e políticos no YouTube e tem aprendido sobre filosofia e economia. Participa até de conferências inclusive.

Ele não é membro de nenhuma igreja. Vive de visitar algumas, mas nunca resolve firmar um compromisso com uma igreja local. Sempre encontra problemas nos pastores, mas nunca em si mesmo. Talvez até ache melhor ficar em casa do que perder tempo com hereges. Não serve a ninguém fora da internet. Não contribui financeiramente em nenhuma congregação. E mesmo fora da igreja, também não investe em missões. Dificilmente é confrontado sobre seus pecados e acha que falar palavrão é normal para o cristão. Resolveu levantar a bandeira da cerveja e do tabaco sem nenhum compromisso com os irmãos mais fracos. Exatamente porque não convive com eles. Em vez de se alimentar no culto congregacional com pastores e irmãos imperfeitos, prefere as páginas teológicas de zoeira ou depressão. Elas passam a boa sensação de superioridade e perfeição que a igreja não passa.

Na verdade, o conhecimento que tem não é profundo. Se vê como teólogo, mas é mais um papagaio do que pensador. Usa até frases e pensamentos de outros sem dar os créditos. Além disso, não sabe como transformar teologia em aconselhamento. Não tem prática em responder aos dilemas da vida de pessoas mais simples da igreja. Não tem a prática de responder teologicamente nem aos seus próprios dilemas e pecados. Falando nisso, talvez seja pelos pecados ocultos que não se interessa por uma igreja local. Provavelmente existe o medo de ter o pecado amado exposto e condenado. Pornografia ou sexo fora do casamento? Arriscaria esses. Na verdade, não houve reforma, e ele provavelmente até saiba disso.

[Pausa para a mudança no texto]

Desprazer, esse é o desigrejado reformado. O que você acha dessa descrição? Pois é, infelizmente eles existem. O desigrejado reformado é a nova (nem tão nova) moda pecaminosa entre muitos jovens que trocaram a igreja pela internet. Trocaram a membresia pelo login. Trocaram a comunhão viva pelas telas frias e imóveis. Esse é o grande absurdo entre os que se dizem reformados. Essa é a grande contradição. Como usar um termo histórico que recuperou a essência da igreja para dizer que não precisamos dela? Como usar o nome imagens de homens que sacrificaram a vida pela igreja para fazer pouco caso dela?

Você se encaixa nesse perfil? Se arrependa. Não ficarei citando Hebreus 10:25 porque sei que seu problema não é falta de informação, é acúmulo de pecado. Mas há graça para todos nós! O evangelho está ai apontando para Cristo e seu povo. Esqueça a ideia de viver cristianismo sozinho, ela não existe. Tire os seus pecados do seu quarto escuro e coloque-os na luz da igreja. Aprenda a respeitar e se submeter a um pastor imperfeito. Aprenda a conviver com irmãos pecadores como você. E aproveite para ensiná-los com amor e paciência o que você sabe. Use a internet a serviço da igreja e não a você mesmo.

Se você está achando um absurdo sair um livro sobre o pentecostal reformado… bem, você tem o direito, mas saiba que o desigrejado reformado é a verdadeira grande mentira dos nossos tempos. Mais vale um pentecostal anafalbeto na igreja do que um teólogo reformado longe dela.

 

Pedro Pamplona é casado com Laryssa e pastor na Igreja Batista Filadélfia, em Fortaleza. Formado em Administração pela Faculdade 7 de Setembro (Fortaleza/CE), pós-graduado em Estudos Teológicos pelo Centro Presbiteriano Andrew Jumper (São Paulo/SP) e estudante do Sacrae Theologiae Magister (Th.M) em Teologia Sistemática do Instituto Aubrey Clark (Fortaleza/CE).